Não é por mal que as pessoas nos tentam incentivar da melhor forma que sabem, mas, muitas vezes, essa não é a maneira que precisamos e que nos faz bem. Não nos podemos esquecer que cada pessoa tem uma personalidade, uma história e filosofia de vida, um olhar subjectivo das situações. Por isso, cada vez que alguém nos aconselha, fá-lo condicionada por todos estes aspectos.

Há, de facto, momentos nas nossas vidas em que sentimos necessidade das opiniões e dos conselhos dos outros porque estamos demasiado absorvidas nos nosso problemas e não conseguimos criar distanciamento. Se reparar, quando estamos neste lodo e damos ouvidos a toda a gente, a confusão gerada ainda é maior porque cada pessoa tem a sua opinião/visão do nosso problema. Da nossa parte, como não estamos equilibradas o suficiente, vamos ficar ainda mais baralhadas e com a sensação de não sermos compreendidas.

Um dos truques nestas situações de dúvida e de crise é rodearmo-nos de pessoas que nos fazem bem. Não significa que sejam pessoas que nos deem palmadinhas nas costas e que não nos chamem a atenção para o que estamos a fazer menos bem. Desde que sejam pessoas que façam parte da nossa tribo (que partilhem a mesma filosofia de vida e compreendam o nosso discurso e angústias), estão autorizadas a dar-nos ‘puxões de orelhas’ e a chamar-nos à razão. Se eu procuro, para desabafar e me ajudar a ver mais objectivamente, uma pessoa que discorda das minhas opções de vida e que tem a visão oposta, seguramente que me vou sentir mais baralhada e frustrada depois desse encontro.

Tarefa obrigatória para quem se sente sem rumo ou quase em desespero: se não conseguir ficar caladinha, no seu canto, a digerir o que se passa, convém que desabafe com alguém que a faça sentir melhor depois da conversa. Quem, do seu núcleo de amigos, fala a mesma linguagem? Além disso, é importante que encontre, diariamente, pequenas coisas que goste de fazer e as faça. Faça-as até se sentir enraizada de novo e verá que, aos poucos, recupera a vontade de viver e o entusiasmo para seguir caminho.

Leave a comment